3 Dicas Para Iniciar no Bi Feminino

Hábitos dos Swingers Felizes
28 de fevereiro de 2021
Filmes, Séries e Livros Sobre Swing
14 de março de 2021

3 Dicas Para Iniciar no Bi Feminino

Para quem está começando a vida swinger, algumas situações podem ser incomodas nesse momento, até que possam explorar e conhecer juntos aquilo que gostam ou não de fazer. A principal reclamação que ouvimos das esposas iniciantes é sobre a insistência dos respectivos maridos pra beijar outra mulher. É importante que o casal saiba do que gosta para poder se conectar com outros casais que gostam do mesmo que eles. Não adianta muita coisa sair com um casal onde o bi feminino é indispensável se você ainda não sei se quero interagir com mulher.

 

Junto a esse descobrimento, vemos que os maridos insistem para que as esposas comecem no bi feminino porque essa é a fantasia deles – ver a esposa com outra mulher. E é aí que a mulherada acaba fazendo muita coisa só para ver o marido feliz. Mas quando a vontade de ficar com alguém aparece, você sabe e pronto. Independente de ser homem ou mulher.

 

O dilema da iniciação no bi feminino acontece porque de um lado temos o swing, com toda a liberdade em sua base, dizendo às esposas que elas são livres para fazerem o que quiserem. Do outro, os maridos, numa tentativa sincera de dar uma “força” às esposas que não aprenderam a tomarem a iniciativa – muito menos serem livres. E aí eles ficam empurrando as esposas, dizendo no ouvido delas “vai, vai vai”, ou até mesmo cobrando uma atitude mais agressiva para cima de outra mulher. E as esposas, que ainda não tem certeza se querem mesmo ficar com mulher, se irritam com essa pressão.

 

Então, separamos 3 dicas para ajudar os casais que estão passando por esse dilema:

  1. Que o bi feminino seja por desejo. Que a esposa sinta tesão por outra mulher, que a esposa tenha muita vontade de se enroscar em um outro corpo feminino. Sem isso, não faz sentido. Mesmo querendo agradar o marido, você se viola, não se sente confortável e não curte a experiência.
  2. Que a esposa tenha liberdade para ir e vir, para beijar ou não, para não saber o que ela quer, para testar quando ela quiser. E não porque o marido está pedindo.
  3. Quando o marido para de empurrar, a responsabilidade de interagir com outra mulher é exclusiva da esposa. Assim o casal fica sabendo, finalmente, se ela faz porque gosta ou porque alguém pediu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *