história da lingerie
História da Lingerie
21 de novembro de 2017
Feng Shui no quarto do casal pode esquentar o relacionamento amoroso
17 de dezembro de 2017

Liberdade e compromisso?!

Liberdade e compromisso

Ter liberdade na relação nos faz ter mais compromisso com a mesma sem necessidade de cobrança e pressão, mas por livre e espontânea vontade. É ter compromisso com o que nos faz bem. Mais liberdade, mais compromisso.

Abraço é acolhimento. Nó pede outro nó para prender melhor e vira emaranhado que dificulta desatar depois. Amor verdadeiro é abraço e não nó.

Amor precisa de cumplicidade, de envolvimento.

Amor é abraço, é acolhimento. Abraço que não prende. Abraço, que sem apertar, dá segurança. Abraço apenas envolve com cuidado e confiança, deixando o outro à vontade. Sentimento livre de sufocamento, sentimento leve.

Amor que nos faz caminhar com duas mãos enlaçadas, sem aperto.

O relacionamento laço é baseado na parceria, no envolvimento, na confiança e na liberdade. Não há individualidade e confusão mental ou sentimental.

O relacionamento precisa ser soma e não subtração.

Um relacionamento prisão é aquele onde parece ser necessário viver a vida do outro esquecendo de si mesmo, da sua própria vida. É uma relação de posse, dependência, cárcere e de um jogo emocional. Por isso ouvimos tantos afirmarem: Não namoro porque amo a minha liberdade. É importante manter o seu ir e vir, suas cias, sua vida em paralelo com a do parceiro. Ninguém pertence a ninguém. É manter o relacionamento sem usurpar a liberdade.

No relacionamento onde há amor os envolvidos se amam e vivem bem, se apoiam, incentivam e não limitam.

Sempre que escolhemos estar com alguém, esta vontade parte de uma livre escolha, portanto, é deste princípio que a relação deve ser guiada, dentro do respeito e cumplicidade.

Respeitar o outro ser humano é fundamental.

Estar juntos pelos laços que os unem.

Quanto mais liberdade na relação, mais preso a ela ficamos, por livre e espontânea vontade.

A individualidade é o nosso bem precioso, perder isso é abrir mão de quem somos. Precisamos nos relacionar com alguém sem perder a nós mesmos. Não queremos ser estranhos numa relação se estranhando.

Deus nos deu o livre arbítrio e ninguém tem o direito de nos tirar este presente divino.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *